Como todos sabem o Brasil até 1822 foi uma colônia portuguesa e um pouco de história pode explicar porque os campeonatos estaduais sempre tiveram tanto sucesso em detrimento da organização de grandes competições nacionais no país. O tamanho do território brasileiro sempre foi uma equação de difícil solução para a Coroa Portuguesa. Desde o advento das capitanias hereditárias, um tipo de organização territorial anterior aos nossos atuais estados, a tentativa da Coroa sempre foi impor alguma ordem e controle num território inóspito e pouco povoado. Com uma produção diversificada em cada capitania e as distâncias continentais que separavam os núcleos urbanos de cada uma delas a comunicação e relação entre as mesmas era muito rara. Era muito mais fácil cada capitania estabelecer o contato constante e obrigatório com a Coroa Portuguesa do que com os outros centros do país.

Este tipo de ausência de comunicação era fortemente incentivado pela Coroa que não queria ver as capitanias se unirem sob a égide de lideres locais que poderiam questionar o domínio português. Logo, antes do desenvolvimento de uma identidade nacional brasileira observamos o desenvolvimento de identidades locais como os paulistas, gaúchos, pernambucanos, etc. Isso tanto é verdade que vários historiadores afirmam que quando os representantes brasileiros estavam na corte portuguesa eles não se tratavam por brasileiros, mas sim por paulistas, cariocas, mineiros, pernambucanos, gaúchos, e rivalizavam em suas identidades locais em busca de maior apoio da Coroa Portuguesa para suas regiões. Tudo isso para dizer que a identidade local aqui surgiu antes da identidade nacional e essa rivalidade incentivada pela Coroa portuguesa continua perdurando por todo tipo de organização política que o Brasil assumiu até hoje mesmo sem que tenhamos noção da origem destas rivalidades.

Natural que dada essa importância atribuída a seu próprio estado no Brasil o futebol tenha se desenvolvido primeiro dentro dos nossos estados do que sob uma competição nacional. Se o primeiro torneio realmente nacional foi a taça Brasil realizada somente em 1959 o campeonato carioca teve sua primeira edição em 1906. Já o campeonato paulista começou em 1902. O gauchão data de 1919 e o campeonato mineiro de 1915. No mínimo 40 anos antes de diferença do grande estadual mais novo para a primeira competição nacional.

É Importante dizer que mesmo com a criação dos campeonatos nacionais os estaduais continuaram por muitas décadas sendo os torneios mais importantes do futebol brasileiro. Não era raro na década de 60 e 70 ver alguns times brasileiros priorizarem o campeonato estadual em detrimento da Copa Libertadores da América ou o torneio nacional.

A decadência da força dos estaduais começou com a ascensão do Brasileirão como grande torneio brasileiro na década de 90 e com o crescimento de importância da Copa Libertadores, pois até ali os estaduais igualavam em importância com o novo Brasileirão fundado em 1971. Com o advento deste torneio atual de pontos corridos de 8 meses nos moldes das competições europeias as datas começaram a ficar mais raras  e problemáticas para os simpáticos estaduais e cada vez mais contestadas, pois a prioridade não era mais deles, e eles começaram a ser vistos como um obstáculo. Tendo perdido em importância e relevância muitos começaram a se questionar para que serviam estas datas no começo do ano que só atrapalhavam as preparações dos times para as competições mais importantes.

Claro que o time vencedor comemora, porém, mesmo para as torcidas as prioridades já são outras como a Copa do Brasil, Libertadores e Brasileirão. Por isso, hoje os campeonatos estaduais mais tradicionais se tornaram quase que meros torneios preparatórios com vista a condicionar as equipes para outros objetivos. Mas isso é para os clubes que tem estes outros objetivos já que para os pequenos clubes dos estados e seus jogadores o estadual ainda continua sendo a grande vitrine para os mesmos se mostrarem para centros maiores e clubes mais importantes. Mas é inegável que temos um estadual esvaziado em importância para os grandes clubes.

Mas depois deste preambulo historiográfico uma pergunta justa seria o que isso tem a ver com as apostas, que na verdade é o que interessa aqui? Na verdade isso pode gerar muitas oportunidades para o apostador mais alerta. E porque? Porque dada esta perda de relevância alguns clubes estão escalando equipes completamente reservas no arranque destes estaduais com vistas aos torneios mais importantes que se aproximam como o Santos, por exemplo, que tem seu elenco principal de férias até o começo do paulista.

Mas mesmo entre aqueles times grandes que vão com seus titulares destaco que os mesmos estão treinando há 10, 13 dias e com o foco quase que total nos treinos físicos e muito distantes da forma ideal. Além de terem seu interesse em outros torneios que não o estadual. Em contraposição, os times pequenos do interior, que tem nos desvalorizados estaduais ainda o seu ganha pão e principal faturamento e os jogadores destes times a sua chance de aparecer no radar do futebol,  tem treinado intensamente há mais de 2 meses estando física e taticamente a frente dos seus rivais mais fortes no começo do torneio. Claro que com o avanço da competição as coisas vão se equilibrando, mas agora não há dúvida que os grandes vão contar somente com o talento de seus jogadores enquanto os pequenos vão contar com meses de avanço com fortes treinos físicos e táticos, estando prontinhos para surpreender.

Outro fato importante a se levar em conta nos estaduais é como os times que vão jogar a Copa Libertadores como Santos, Corinthians, Flamengo, Fluminense, Vasco e Internacional vão gerir seus elencos nos seus respectivos estaduais já que os mesmos  não são mais prioridade. Espera-se a escalação de muitas equipes reservas durante estes jogos nos estaduais principalmente quando as competições se cruzarem.

Outros, como Palmeiras, São Paulo, Botafogo e Grêmio vão disputar a Copa do Brasil e se em algum momento o Estadual e a Copa do Brasil também se cruzarem não tenham dúvidas de que as direções e comissões técnicas também irão escolher a competição nacional como prioridade. Os estaduais são as últimas prioridades da lista neste primeiro semestre para os grandes clubes.

Por isso, se valorativamente os estaduais não tem nem mais 10% da importância de que já tiveram por décadas, eles continuam sendo ótimas oportunidades para os apostadores procurarem boas apostas. Primeiro, porque as casas de apostas on line continuam dando um excesso de peso na colocação de odds aos times grandes os colocando como extremamente favoritos mesmo sem estes darem a mesma importância que historicamente os estaduais tinham. Sem levar em conta esta diferença de interesse inicial na competição há também essa disparidade na preparação física e tática que os times pequenos tem de vantagem no arranque de torneio em comparação com os grandes clubes que voltaram há pouco das férias e os primeiros vem treinando há meses.  Portanto, mesmo sem valor muito para as torcidas os estaduais continuam e vão continuar tendo um interesse especial na ótica dos apostadores. Fiquem atentos.

Leave a Reply